Horário do Centro

Sex: 10:00-19:00 (última entrada às 18:30)
A Saga
O Adeus
Dóri
A Frota Branca
A Bordo
Propaganda
Degustação
Bacalhau 20.20
A Saga

Sala

A Saga

A história da grande pesca desenhou-se de forma quase poética – belos lugres bacalhoeiros e heróis da pesca à linha lançam-se nos mares frios do Atlântico Norte. Abra o grande livro da aventura dos que rumaram para norte e ergueram a bandeira dos antepassados e dos grandes navegadores portugueses.

O Adeus

Sala

O Adeus

Milhares de homens rumavam aos mares frios da Terra Nova e da Gronelândia, ano após ano, para pescar bacalhau. Partiam de todas as comunidades de pescadores de Portugal e traziam com eles a experiência de outras pescas e uma tradição familiar da vida marítima. A bênção dos bacalhoeiros era um ritual de propaganda da ditadura de Salazar que precedia a partida. Para trás, ficavam as famílias no cais, numa longa espera de meses.

Dóri

Sala

Dóri

Experiência imersiva que o coloca como a um pescador sozinho no seu dóri. Por perto, o navio-mãe, em regra um lugre. Um homem entregue a si próprio, remando no pequeno bote, que arriscava tudo à procura de peixe. Histórias épicas e dramáticas de quem todos os dias desafiou o mar.

A Frota Branca

Sala

A Frota Branca

Durante a Segunda Guerra Mundial, a frota bacalhoeira portuguesa tornou-se uma lenda internacional. Enfrentando os perigos da “guerra submarina” e aproveitando as ambiguidades da neutralidade portuguesa, por medida de segurança os navios de pesca do bacalhau da frota foram pintados de branco. Assista do cais à partida de um dos navios da mítica Frota Branca.

A Bordo

Sala

A Bordo

Uma campanha de pesca do bacalhau durava em média seis meses, para coincidir com as melhores condições de tempo, durante os meses de primavera e de verão. Depois de um longo dia no mar, que podia levar dez ou doze horas, os pescadores entregavam-se ao trabalho da escala, no convés do navio, e da salga do peixe, no porão. A maior alegria dos homens, de todos os tripulantes de um navio bacalhoeiro, era a viagem de regresso a casa e a entrada triunfal no porto.

Propaganda

Sala

Propaganda

Todos os anos, por volta de abril, navios e tripulações migravam para o outro lado do Atlântico trabalhando em condições duríssimas. Com sorte, alguns meses depois teriam os porões carregados de peixe para poderem voltar a casa. “Trazer à pátria o pão dos mares” era o mote que a propaganda do Estado Novo usava para mobilizar as tripulações e envolver o país na Campanha do Bacalhau.

Degustação

Sala

Degustação

O bacalhau é um dos alimentos mais inventivos e diversificados da dieta de vários povos. A diversidade de receitas e de tradições culinárias que o bacalhau do Atlântico gerou tem, no caso português, o seu expoente máximo. Desde o século XV, o bacalhau faz parte dos hábitos de consumo alimentar dos portugueses. Protagonista das mesas de Natal e da Páscoa, o bacalhau é um dos símbolos da cultura gastronómica do nosso país. Sente-se connosco à mesa e veja porque o peixe-rei é presença assídua no dia-a-dia.

Bacalhau 20.20

Sala

Bacalhau 20.20

Pesca-se hoje muito menos bacalhau do que já se pescou. As imagens de abundância e de escassez sempre existiram, mas hoje sabemos que os recursos do mar são limitados e finitos. As alterações climáticas são causa e efeito de mudanças de comportamento da espécie. Não sabemos se o apreciado gadídeo poderá faltar nos pratos dos portugueses, que consomem o equivalente a 20 por cento de todo o bacalhau capturado a nível mundial. Que futuros se antecipam para a pesca do bacalhau?

Enciclopédia do Bacalhau

Se há iguaria que é unanimemente apreciada é o bacalhau. O ‘fiel amigo’ tem 1001 maneiras possíveis de se apresentar à mesa e é um dos símbolos da gastronomia nacional, profundamente enraizado nos hábitos alimentares dos portugueses. Descubra, na Enciclopédia do Bacalhau, receitas da nossa tradição gastronómica, a sua origem e a sua história.

A granel

Curiosidades sobre a pesca do bacalhau

Uma fêmea bacalhau pode produzir cerca de

3 a 9 milhões
de ovos

de uma só vez!

O bacalhau pode viver mais de

20 anos

e pesar até 90kg.

O bacalhau é um animal…

carnívoro!

Alimenta-se de uma variedade de peixes, como arenques, pescadas ou tamboris. 

Cod Wars ou
‘Guerras do Bacalhau’.

Parece ficção, mas não é. Não foi um conflito armado mas sim uma série de confrontos entre a Islândia e o Reino Unido entre as décadas de 1940 e 1970 por disputa de direitos de pesca. 

Lembra-se do Óleo de Fígado de Bacalhau que a sua mãe o obrigava a consumir? Apesar do mau sabor, é um suplemento rico em

ómega-3 e
vitaminas A e D,

que faz muito bem à saúde!

O prato britânico de fast food por excelência,
servido em milhares de pubs e restaurantes,

fish and chips,

é confecionado maioritariamente com bacalhau.

Natal em Portugal sem bacalhau não sabe a Natal, mas noutros países também se consome este gadídeo, como é o caso da Noruega, onde que se aprecia um prato designado de

lutefisk

bacalhau preparado com soda cáustica e depois cozido a vapor.

O nome científico do bacalhau, Gadus morhua, deriva da junção da forma latinizada do grego

gados (pescada)

juntamente a morue, a palavra francesa para bacalhau.  

Os pescadores de bacalhau portugueses tinham especial devoção a

Nossa Senhora,

nas suas variadas designações: Nossa Senhora dos Aflitos, Nossa Senhora dos Navegantes e Nossa Senhora da Nazaré. 

Tudo se aproveita na pesca do bacalhau… até o conteúdo dos

estômagos

dos bacalhaus acabados de trazer para os navios, tal como pequenos peixes que seriam reutilizados como isco no dia de faina seguinte. 

Na pesca do bacalhau é igualmente importante

pescar lulas,

utilizadas como isco preferencial. No início do século XX até se premiava com uma garrafa de aguardente o primeiro pescador a apanhar uma lula!